quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Catadores

Publicado recentemente no Brasil, A política da mudança climática, de Anthony Giddens, trata da "mudança climática sobretudo como uma questão política e defende que toda decisão deve observar o contexto econômico e geopolítico mundial."

Ainda não li a obra, mas já a folheei com bastante calma na semana passada, numa livraria do centro do Rio. Ao sair de lá, caminhei em direção ao Terminal Menezes Côrtes, a fim de pegar o ônibus de volta para casa. Eu não havia andado por dez minutos quando deparei com montanhas de papel. Não, não estou exagerando: ao lado do Terminal os catadores se reúnem todas as noites, para coletar o lixo reciclável. O contraste foi enorme: em pouquíssimo tempo eu havia passado do livro de Giddens, um livro novo, papel novo, teoria, a homens catando papéis usados, lixo, realidade. A tese do sociólogo – exposta com estilo – pareceu-me distante demais da vida.

Não estou dizendo que as questões ambientais não devam ser discutidas; pelo contrário: elas precisam, sim, ser trazidas à luz, debatidas; contudo, num lugar em que pessoas catam papéis na rua, até altas horas, sem qualquer proteção, tanto física quanto jurídica (sem luvas, botas e sem vínculo empregatício), o clima se torna algo demasiadamente afastado.

Na verdade, Giddens tornou-se-me distante, na medida em que tenho poucas esperanças quanto à eficácia do debate sobre os problemas ambientais. Vivemos num sistema econômico que necessita de crescimento constante, que se baseia no consumo; logo, os problemas ambientais são apenas conseqüência e não serão resolvidos enquanto não houver uma intervenção nas causas.

Ostentando suas bolsas de pano - última moda entre os "preocupados com o futuro do planeta" - as pessoas falam sobre proteção ambiental, mas trocam de celular, computador, TV, carro, toca-mp3 etc. toda hora, assim que conseguem – mesmo que para tanto tenham que se endividar, o que também faz parte do jogo. Falar de preocupação em relação à natureza enquanto se consome tudo o que pode (e também o que não pode!) é cegueira, ignorância ou hipocrisia.

Os catadores com certeza não são uma ameaça ao equilíbrio ambiental: eles consomem pouco, não possuem veículos poluidores e ainda promovem a reciclagem. Quem são esses homens - esses “consumidores falhos”[1] -, que, como os camelôs, vagam pelas ruas, sem qualquer proteção, coletando os restos, as sobras?

Estamos na era da desregulamentação, da privatização: o Estado, cada vez menor, não se mete no trabalho desses homens. Os lixeiros têm ainda alguma proteção, uma relação de emprego, enquanto os catadores – homens invisíveis que ajudam a reciclar - ficam à margem, embora desempenhem uma função importante.

Em “A queda”, Albert Camus fala sobre a inércia de um homem diante da queda de uma suicida no rio:

“Já havia percorrido uns cinqüenta metros aproximadamente, quando ouvi um ruído que, apesar da distância, me pareceu , no silêncio da noite, de um corpo caindo na água. Parei instintivamente, sem me voltar. Quase ao mesmo tempo, ouvi um grito, repetido várias vezes, que descia também o rio, e que se extinguiu bruscamente.”

Estou cansado de passar por pessoas que se jogam e gritam; nada faço, porém. Há um ano escrevi sobre os camelôs (refrões da cidade e escravos de ganho) e à época meu desejo era escrever sobre outras funções de “homens livres” das grandes cidades. Sou um catador de palavras.

Sobre consumo e lixo, escrevi há algum tempo:

Fungível

Não discuta,
Não reflita!
Pega o que lhe dão
E siga em frente,
Não só porque atrás vem gente,
Mas também porque não se deve parar nunca -
Ainda mais, assim, de repente!

Aceite, ceda,
Não resista ao que se lhe apresenta;
Um pedaço é melhor que nada.
Pegue-o, use-o,
Consuma-o, descarte-o,
Afinal, moramos em Leônia.

E não se preocupe nunca!
Você precisa mesmo descartar este pedaço
Para consumir o outro que virá.
É sempre hora de trocar:
Larga pois o que tem em mãos
E agarra hoje o novo que lhe dão!

Sobre o tema, diz Bauman em "Amor líquido" (p. 11):

"Se lhes perguntassem, os habitantes de Leônia, uma das 'Cidades Invisíveis' de Italo Calvino, diriam que sua paixão é 'desfrutar coisas novas e diferentes'. De fato. A cada manhã eles 'vestem roupas novas em folha, tiram latas fechadas do mais recente modelo de geladeira, ouvindo jingles recém-lançados na estação de rádio mais quente do momento'. Mas a cada manhã 'as sobras da Leônia de ontem aguardam o caminhão de lixo', e cabe indagar se a verdadeira paixão dos leonianos na verdade não seria o 'prazer de expelir, descartar, limpar-se de uma impureza recorrente'. Caso contrário, por que os varredores de rua seriam 'recebidos como anjos', mesmo que sua missão fosse 'cercada de um silêncio respeitoso' (o que é compreensível: 'ninguém quer voltar a pensar em coisas que já foram rejeitadas')?"

No entanto, é isso que tenho feito: ando pelo lixo catando palavras. Eu sou o lixo. Olho, vejo e escrevo, mas nada reparo. [2]

Notas:

[1] “Uma vez que o critério da pureza é a aptidão de participar do jogo consumista, os deixados de fora como um ‘problema’, como a ‘sujeira’ que precisa ser removida, são consumidores falhos – pessoas que são incapazes de responder aos atrativos do mercado consumidor porque lhes faltam os recursos requeridos, pessoas incapazes de ser ‘indivíduos livres’ conforme o senso de ‘liberdade’ definido em função do poder de escolha do consumidor.” BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. P. 24.

[2] "Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara." SARAMAGO, José. Prólogo de Ensaio sobre a cegueira.





Links para os textos citados:

ecosprosaicos.blogspot.com/2009/08/poderia-ser-ficcao.html


ecosprosaicos.blogspot.com/2009/08/refroes-da-cidade.html

13 comentários:

  1. Hahaha... Ri só um pouquinho, pois você pediu pra não rir muito :-)

    Na verdade, gostei do texto e da música também. Sempre tive vontade de gravar vídeos lendo minhas poesias, quem sabe agora tomo coragem e faço.

    Um abraço!

    Rafael

    ResponderExcluir
  2. Olá, Rafael! É engraçado mesmo - eu estranhei muito! Pra falar a verdade, estou com muita vontade de retirar o vídeo, pois dá uma sensação ruim saber que qualquer um pode assistir, é invasivo demais.
    Grave suas leituras, sim, pois é interessante se ver. E depois da minha musiquinha, vale tudo... rsrs

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Adoreeeeeeeeeei!!! Não tira não, vídeo improvisado é sua cara!

    Áudio-poema é tudo!!!

    ResponderExcluir
  4. Que bom que gostou - há maluco pra tudo... rs

    Vídeo mal feito é a minha cara? Acabou comigo! rsrs

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Vim só pelo vídeo. Nem li o texto.
    Surpreendente, Doutor. Vc é afinado! Adorei.
    As caretas estão ótimas!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Agradeço à anônima, que com certeza quis dizer que o texto citado é lindo, e também à Marília, embora o seu comentário reforce a minha vontade de retirar o vídeo, em virtude do desvio da atenção.

    O texto é autocrítico, fala sobre a minha falta de ação; o vídeo deveria servir apenas como complemento.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Impossível não deixar o texto em segundo plano. Desculpe, Dr, não queria embaraçá-lo. Mas, sabe como eu sou, né?! Pobre sem cultura; o vídeo chama mais a atenção dos poucos intelectualizados...
    Não tire o vídeo, por favor.
    UMa questão: por que vc logo pensou que o autor do comentário seria do sexo feminino? Poderia ser o anônimo...

    ResponderExcluir
  8. Marília, vc é mesmo implacável! Não deixa passar nada!
    Bom, ainda que não devesse falar nada a respeito, sei que foi uma anônima que colocou o comentário, simplesmente porque ela me falou por telefone (segundo a mulher sem nome, foi como um grito anônimo na plateia).
    Estou ainda pensando se tirarei ou não o vídeo; daqui a pouco coloco outro post e aí será página virada. Na verdade, estou ansioso para concluir e postar o novo post só pra me ver livre dessa página...

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. De acordo com o seu texto os pobres seriam ambientalistas?

    ResponderExcluir
  10. Os miseráveis são "ecologistas" (compulsoriamente), na medida em que consomem muito pouco.
    Os pobres, não, vez que com os cartôes de crédito há consumo sem dinheiro.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Oi Bernardo, tudo bem? Meu nome é Luciana e através do blog da Rozane eu cheguei ao seu blog.
    Na verdade eu li o seu post no blog Café com Impressões - A metamorfose - Franz Kafka, mas decidi comentar aqui, pq percebi que este blog é somente seu. Bernardo, vc já leu algum livro do Kant? Tenho interesse em estudar filosofia. Parabéns pelos blog.
    Ah, no blog na Rozane, vc me respondeu sobre a exposição dos Zerois no CCBB. Esta semana pretendo passar.
    Um abraço, Luciana

    ResponderExcluir
  12. Oi, Luciana, tudo bem? Seja bem-vinda!
    Lembro do seu comentário lá no blog da Rozane.
    Já li sobre Kant, mas ainda não o li. Também tenho interesse em filosofia, mas tenho me concentrado mais em literatura e sociologia, pois o tempo é curto. Li algumas obras de filosofia (Nietzsche, Sartre...), além de manuais. Passe na exposição, sim, e aproveite para ver a da Anita Malfatti.
    Meu e-mail é bernardosph@gmail.com; se quiser, podemos conversar mais sobre filosofia.

    Abraços

    ResponderExcluir